Brasileiro tenta 1º gol em duelo particular contra o amigo Messi

 

Neymar e Messi trocam passes, abraços e sorrisos que evidenciam o gosto em jogarem um ao lado do outro no Barcelona. Mas quando estão em lados opostos, um de amarelo e outro de azul e branco, só o argentino tem motivos para sorrir. No duelo particular entre dois dos principais atacantes do mundo, Lionel Messi, cinco vezes bola de ouro, já fez seis gols. Neymar, nenhum.

O clássico entre Brasil e Argentina desta quinta-feira, 21h45 (de Brasília), no Mineirão, é uma grande oportunidade para Neymar começar a diminuir essa desvantagem. Nunca, num confronto entre eles, o brasileiro chegou numa equipe em momento tão superior como agora. Ele também jamais esteve tão maduro em campo. No Barça, seu rendimento o aproxima dos protagonistas.

A aposta de Tite, técnico que levou a Seleção à liderança das eliminatórias, no êxito de Neymar, é em construir um sistema coletivo muito forte que possibilite a seu camisa 10 decidir o clássico.

– Temos que potencializar nossas virtudes, oportunizar o criativo, dar a condição do improviso, da finta, do lance pessoal, para isso acontecer no último terço do campo. Em contrapartida, não se neutraliza craque, mas se diminui ações. Podemos elencar uma série de jogadores que podem decidir o jogo, porém tem um pré-requisito: a engrenagem tem que funcionar, senão não consigo conceber o craque individualmente. Com o coletivo forte, tu acrescenta Coutinho, Higuaín, Di María, Douglas Costa, Gabriel... Uma série de grandes jogadores com virtudes técnicas para um momento de decisão – afirmou o treinador na véspera da partida.

O primeiro jogo de Neymar contra Messi marcou o primeiro gol de Messi contra o Brasil. A Seleção iniciava uma nova fase, com Mano Menezes no comando e mais jovens na equipe, mas um erro do meia Douglas, no fim do jogo, deu ao craque argentino a chance de decidir.

Na final do Mundial de Clubes, o equilíbrio que se esperava não apareceu. Só quem apareceu, aliás, foi o talento da mágica equipe comandada por Pep Guardiola. Messi fez dois, e poderia ter feito mais no passeio impostos pelo clube catalão ao Santos de Neymar, Ganso e companhia.

 

A equipe olímpica do Brasil teve um grande desafio pela frente: o time principal da Argentina. Foi um grande jogo, que a Seleção provavelmente venceria se do outro lado não houvesse um tal Lionel Messi, autor de três gols. Pelo Brasil, marcaram Rômulo, Oscar e Hulk. Nada de Neymar.

 

 

Na única vitória de Neymar sobre Messi, brilhou Diego Tardelli, autor dos dois gols brasileiros, ainda sob a ressaca do 7x1 na Copa-2014. O argentino teve chance de fazer seu sétimo gol contra o amigo, mas o goleiro Jefferson defendeu sua cobrança de pênalti.

Barcelona Neymar Messi (Foto: Reuters)

 

 

Neymar

Fonte: Globoesporte

Linha

Todos os direitos reservados. Rádio Cultura de Xaxim Ltda.              49 3353.2425