Dive descarta surto de meningite

 
 
Depois de circular pelas redes sociais da região boatos de um surto de meningite citando o município de Chapecó a Vigilância Epidemiológica emitiu na quarta-feira (06) uma nota de esclarecimento sobre os casos registrados, sendo que os mesmos não caracterizam um surto da doença.
 
Confira a nota :
 
“O setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do município de Chapecó informa que todos os casos de meningite registrados até o momento não apresentam vínculo epidemiológico entre si e, portanto, não caracterizam surto da doença.
 
Em 2017, até o dia 05 de setembro foram confirmados 16 casos de meningite em geral, sendo sete casos virais, oito bacterianas e até então foram dois óbitos por meningocóccemia confirmado em diagnóstico clínico e laboratorial.
 
Em relação ao óbito confirmado no município, foram realizadas todas as medidas preconizadas pelo guia de Vigilância Epidemiológica, bem como o controle de possíveis contatos e suspeita de casos novos. Esclarecemos que a Secretaria de Saúde de Chapecó está em permanente vigilância juntamente com o estado e todas as medidas de bloqueio e controle estão e continuarão sendo adotadas.
 
Segundo informações da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina até um momento foi confirmada uma morte no Litoral Norte na semana passada. Em Chapecó foi confirmada a morte de um homem no final de agosto pela meningite C, uma das formas mais graves da doença, contabilizando o segundo caso do ano em Chapecó.
 
Segundo a Dive em Santa Catarina totalizam 42 casos confirmados e sete óbitos pela meningocócica. As mortes foram em Itajaí, Palhoça, Florianópolis, Nagevantes e Chapecó.
 
A diretoria informou que não existe surto da doença já que os casos não tem relação entre si, nem mesmo houve registro de aumento do números de casos em relação a 2016.No estado foram registrados ate o dia 25 de Agosto 552 casos confirmados de meningite em geral com 39 óbitos. Dos casos 64 foram da meningocócica, pneumocócica e meningite por Haemophilus.
 
Em 2016 foram registrados 727 casos com 65 mortes.
 
Segundo a Dive, a doença requer notificação obrigatória, qualquer registro em hospitais, consultórios e laboratórios devem ser informados e registrados.
 
De 11 a 22 de setembro ocorre a Campanha Nacional da Multivacinação com objetivo de atualizar a carteira da vacinação para crianças e adolescentes, onde serão oferecidos 16 tipos de vacinas como, as de prevenção contra as formas de meningite bacteriana Meningo C, Haemophilus B e Pneumocócica. Neste ano o dia D de Vacinação será no dia 16 de setembro com horários especial nas unidades públicas de saúde em todo o estado que estarão abertas das 08h00 as 17h00.
 
A meningite é um processo inflamatório das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, as meninges. Pode ser causado por bactérias, vírus, parasitas e fungos, ou, ainda, por processos não infecciosos. Os sintomas incluem febre, dor de cabeça, dor ou rigidez de nuca e vômitos frequentes. A recomendação é procurar uma unidade de saúde próxima, o mais rápido possível. Em alguns casos de meningite bacteriana, pessoas que convivem com o paciente também precisam ser tratadas com antibióticos.
 
A partir deste ano, a vacina contra a meningite C, que até então era aplicada apenas em crianças de até um ano, passou a ser ofertada para adolescentes de 12 a 13 anos. A faixa-etária será ampliada, gradativamente, até 2020. A rede pública de saúde oferece vacina contra as formas mais graves de meningite.
 
Prevenção básica:
 
* Ambientes bem ventilados ensolarados;
.
* Evitar locais fechados com pouca ventilação;
 
* Lavar as mãos com água e sabão regularmente;
 
* Higiene com utensílios domésticos e não compartilhar objetos de uso pessoal.
 
Fonte: Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina / Setor de Vigilância Epidemiológica de Chapecó

21430577 475237522839045 4992049021979396384 n

Fonte: DIVE SC

Linha
Player de Streaming

Todos os direitos reservados. Rádio Cultura de Xaxim Ltda.              49 3353.2425