Vamos falar das urnas eletrônicas 

 

Em ano eleitoral sempre surgem os mais diversos boatos sobre possíveis fraudes nas eleições, muito mais este ano com “ascensão” das conhecidas fake News, mensagens que não tem comprovação quanto a sua veracidade que são repassadas em grupos de whatsApp e no facebook. O pior é que muitas pessoas acreditam em tudo que recebem nas redes sociais ou de outra forma e acabam propaganda a desinformação, as chamadas teorias da conspiração.

Neste ano a votação eletrônica completa 22 anos de existência. Desenvolvida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com objetivo de garantir ainda mais segurança e transparência ao processo eleitoral – eliminando a intervenção humana dos procedimentos de apuração e totalização dos resultados.

O inicio da criação do sistema informatizado de votação foi dado com a consolidação do cadastro único e automatizado de eleitores. Isso começou em 1985 e foi finalizado em 1986, na gestão do ministro do TSE Néri da Silveira, quando o Brasil contava com cerca de 70 milhões de eleitores. Antes, não havia um registro nacional, o que abria espaço para fraudes no cadastro.

Em 1994, sob a Presidência do ministro Sepúlveda Pertence, o TSE realizou pela primeira vez o processamento eletrônico do resultado das eleições gerais daquele ano com recursos computacionais da própria Justiça Eleitoral. O ministro recorda que essa rede nacional da Justiça Eleitoral permitia transmitir a alguns centros regionais as apurações de cada município. 
Como em todos os setores mesmo com a garantia da segurança, tem pessoas que não acreditam na totalidade da eficácia da urna eletrônica no que diz respeito a sua segurança, sustentam que com as urnas eletrônicas é possível manipular os resultados.

De acordo com informações do Chefe do Cartório Eleitoral da Comarca de Xaxim, Marcos Correa Vieira as urnas passam por várias auditorias antes das eleições, inclusive em audiências públicas em Xaxim e todos os municípios com a presença de representantes dos partidos, OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ministério Público e demais interessados. Além disso, todos os sistemas que fazem parte do sistema da urna são auditados por representantes dos partidos e por pessoas interessados em âmbito nacional antes do pleito. São realizados testes feitos por especialistas e pagos por partidos, que serve para avaliar a credibilidade. Todos os sistemas de urna são públicos e podem ser investigados, as possíveis fraudes podem ser suscitadas por qualquer pessoa interessada em varias oportunidades, antes e depois da eleição desde que sejam comprovadas.

 

Por isso é importante pesquisar e buscar informações e não acreditar apenas no que se vê, lê o ouve nas redes sociais.
A justiça eleitoral esta sempre a disposição para tirar qualquer duvida referente as urnas. Quem tiver interesse em conhecer como as urnas são preparadas e como operam os seus sistemas de segurança podem participar das audiências publicas de preparação das urnas para a votação. Em Xaxim nesta sexta-feira (28) a partir das 14h30 haverá esta oportunidade junto ao Cartório Eleitoral da Comarca de Xaxim.

Urnas

Fonte: Jornalismo Cultura AM

Linha

Todos os direitos reservados. Rádio Cultura de Xaxim Ltda.              49 3353.2425