Entenda por que o arroz continua caro mesmo com queda na inflação

Apesar de uma leve queda de 1,52% na inflação de fevereiro, comparado a janeiro deste ano, o preço do arroz continua pesando no bolso do consumidor, já que o produto teve alta de quase 70% nos últimos 12 meses, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O IPCA é considerado a inflação oficial no país e é medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Os principais motivos para o arroz ter ficado mais caro foram:

 

  • Com o início da pandemia em março, mais gente ficou em casa, o que aumentou o consumo do arroz pela população.
  • alta do dólar fez os produtores quererem exportar mais. E, com isso a oferta do grão no Brasil diminuiu - vale lembrar que a área plantada vem sendo reduzida nos últimos anos devido à falta de estímulo para esta cultura.
  • Do outro lado, os custos nas lavouras foram subindo, puxados principalmente pelos fertilizantes, e isso foi repassado também para o consumidor.

 

Em fevereiro, já com uma menos gente procurando pelo produto, com mais importações e o arroz estando em plena safra, os valores começam a cair lentamente nas prateleiras dos supermercados.

 

Analistas entrevistados pelo G1 dizem que vai demorar para os consumidores voltarem a pagar o mesmo de antes a pandemia.

Veja em detalhes o que tem impactado o arroz:

 

Por que os preços dispararam?

 

Para entender o motivo do arroz ter disparado entre 2020 e 2021 é preciso olhar para o início da pandemia, segundo o professor da Esalq/USP e pesquisador do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, Lucilio Alves.

Ele explica que, quando as restrições de circulação tiveram início, em março, a população começou a consumir mais o arroz comparado a quando tinha que fazer as refeições na rua.

 

Além disso, muitos acabaram adquirindo os produtos em volume até maior do que o necessário, afirma o professor.

O crescimento do consumo não foi apenas interno. O Brasil também vendeu mais arroz para o exterior.

 

“A receita em reais e a taxa de câmbio atrativa também fizeram com que tivesse um interesse dos produtores brasileiros em vender para o mercado internacional”, completa.

Com o crescimento da exportação, a oferta no Brasil caiu.

 

Em paralelo a isso, havia um temor da população da safra não ser o suficiente para a demanda em 2020, o que também valorizou os preços, como conta o assessor técnico da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Fábio Carneiro.

 

“A produção não acompanhou a demanda de 2020 de arroz no mercado global”, comentou.

 

“No ano passado teve uma preocupação muito grande se ia faltar arroz no Brasil e isso levou a uma intensificação do período de entressafra, que é geralmente no segundo semestre”, relata o assessor. “E essa preocupação acabou pressionando ainda mais o mercado”.

Apesar deste crescimento da procura, a última safra de grãos no Brasil foi recorde, atingindo 257,8 milhões de toneladas, sendo 11,2 milhões t apenas de arroz, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Ainda que os preços estejam salgados para o consumidor final, o produtor também vem pagando caro pelo cultivo do arroz. Alves conta que, em 11 anos, apenas nos últimos três o produtor teve receita suficiente para pagar todas as contas.

 

Por que os preços começaram a cair?

 

Mesmo antes da deflação em fevereiro, a variação começou a desacelerar gradativamente em 2020.

 

Arroz1

Fonte: G1 AGRO

Linha
Player de Streaming

Todos os direitos reservados. Rádio Cultura de Xaxim Ltda.              49 3353.2425