Empresário com empreendimento em Xaxim é preso

 

 

Está preso desde a última segunda-feira (24) o empresário Eloy Luiz Vaccaro. Ele foi preso em Florianópolis pela Operação Madeira Limpa investigada pelo Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal (PF), que cumpriu 21 mandados de prisão e 37 de busca e apreensão contra uma quadrilha de comércio ilegal de madeira.

 

De acordo com o MPF, Vaccaro é dono da Empresa Polpas do Baixo Amzonas que produz açaí no Oeste do Pará. Ele responde uma ação penal e é alvo de três inquéritos do MPF do Pará e um no Paraná. Ele está preso na sede da Polícia Federal (PF) na capital do Estado.

 

Além do empresário, foram presos madeireiros e servidores públicos do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente), Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Semas (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade), e da Sefa (Secretaria de Estado da Fazenda).

 

Segundo o MPF, a quadrilha é acusada de coação, receptação qualificada de madeira, subtração de bem público, corrupção passiva, corrupção ativa, organização criminosa, falsidade ideológica, estelionato e crimes ambientais.

 

O prejuízo estimado ao patrimônio público é de R$ 31,5 milhões. Os presos que atuavam no Incra coagiam trabalhadores rurais a aceitarem a exploração ilegal de madeira dos assentamentos do Oeste paraense em troca da manutenção de direitos básicos, como o acesso a créditos e a programas sociais. Vaccaro também responde a uma ação penal no Pará. Ela foi instaurada com base em inquérito policial de 2005 que apurou a ocupação irregular de terras públicas em Oriximiná por empresas particulares e a abertura irregular de estradas em áreas da União e do Estado do Pará.

 

Na ação, o MPF acusa Eloy Vaccaro, juntamente com um filho e um neto, de invasão de terras públicas destinadas à reforma agrária, desmatamento ilegal, comércio de produtos florestais sem comprovação da origem legal, e instalação de fábrica potencialmente poluidora sem licença ambiental. Além dos três casos no Pará, o nome do empresário é citado em mais um caso ativo no banco de dados do MPF. Trata-se de uma investigação da PF em Guarapuava (PR) para apurar crime de sonegação de contribuição previdenciária.

 

O empresário também é sócio da Rafitec S/A, fábrica de embalagens com base de polipropileno com três fábricas em Xaxim e Xanxerê.

 

Jornalismo Rádio Cultura / Flávio Carvalho 

Foto Ilustrativa 

Pf ilu

Fonte: Jornalismo Rádio Cultura

Linha
Player de Streaming

Todos os direitos reservados. Rádio Cultura de Xaxim Ltda.              49 3353.2425